Deus é imaginário

Alguém que prefere manter o anonimato sustenta dois excelentes sítios na Internet,

Estes sites estão nos links sugeridos do blog desde o início, mas talvez você ainda não os tenha prestado uma visita. Assim como o livro do Carl Sagan que resenhei aqui, estes sítios tem o objetivo de tentar motivar o pensamento crítico a respeito da religião por parte dos religiosos. O site é especialmente focado para os cristãos. Entre os grandes feitos do autor, estão vários vídeos no YouTube sobre o assunto, que já passaram a marca de 1,5 milhão de visualizações.

A estratégia de God is Imaginary é perfeita. Como o intuito não é provocar ou ofender, o autor começa com apaziguadores: 
Irei assumir que você é um cristão educado. Você tem um diploma universitário e foi treinado para pensar crítica e racionalmente sobre o mundo em que vivemos. (...) Você alguma vez já pensou em usar a sua erudição para refletir sobre sua fé? Sua vida e sua carreira demandam que você pense e aja racionalmente. Vamos aplicar suas habilidades de pensamento crítico enquanto discutimos algumas questões simples sobre sua religião.
Partindo disso, o website lista 50 itens de reflexão a respeito da religião. Algumas questões dizem respeito a promessa não cumprida, ou inconsistente, da religião:
  1. Por que Deus não cura os amputados? Como um cristão, você acredita no poder da reza e acredita que Deus está por ai curando doenças. Mas todos nós reconhecemos que isso não se aplica aos amputados: nós não vemos no nosso dia-a-dia pernas ou braços serem regenerados espontaneamente. Não importa o quanto se reze, amputados não recebem nenhum milagre de Deus. Se você é uma pessoa inteligente, tem que admitir que esta é uma pergunta interessante. Por um lado, você acredita que Deus responde preces e realiza milagres, mas por outro, sabe que isso não se aplica a membros amputados. Como resolver essa discrepância?
  2. Por que há tantas pessoas passando fome no mundo? Por que Deus estaria preocupado com você receber um aumento [permitam-me expandir aqui: por que Deus estaria preocupado com o seu sucesso profissional em geral], respondendo suas preces e fé na existência Dele, mas ignoraria a fome e a miséria de milhares de crianças na África subsaariana? Como um Deus que é amor e se preocupa com o bem estar e destino dos humanos pode fazer isso?
Algumas outras questões dizem respeito a falseabilidade da religião. Antes de mais nada, é importante perceber o detalhe sutil que a religião tem na mente das pessoas, como foi apontado por Sam Harris várias vezes. As pessoas dão um status especial a religião pelo puro e simples fato de ser considerada um fato social chamado religião. Observe, por exemplo, esse argumento comum com intuito de justificar a fé: "Não podemos provar que Deus não existe". Ora, também não podemos provar que gnomos não existem. E há livros antigos da Irlanda sobre gnomos, contos de escritores, relatos de crianças, aparições em filmes, desenhos animados e outras mídias, produtos comerciais. No entanto, seria tolice argumentar que só porque não se pode provar que gnomos não existem que é razoável acreditar na existência deles. Só seria razoável acreditar em gnomos se houvesse evidências copiosas. No entanto, sabemos que gnomos não passam de histórias inventadas na Irlanda muito tempo atrás. Todas as pessoas no Brasil são ateus com relação a gnomos. O mesmo argumento vale para o Deus cristão, todavia, porque no Brasil a crença em gnomos não é considerada socialmente uma religião, as pessoas não utilizam desta mesma racionalidade. Na cabeça do cidadão comum, a religião tem um status especial, um escudo contra críticas que são válidas para qualquer outro sistema de conhecimento. Outros exemplos concretos desta distinção você pode ver na tentativa inconsistente de separar a religião social dos cultos e mitologias (A Cientologia, por exemplo, é um culto? Quase todas as críticas, principalmente as que dizem respeito ao funcionamento econômico da Igreja da Cientologia, se aplicam diretamente aos Evangélicos. Mas ninguém diz que os Evangélicos são um culto, não é?). Se por um instante lenvatarmos esse escudo, as 50 questões de God is Imaginary vão automaticamente colocar o cristianismo no mesmo patamar de plausibilidade que a Fada dos Dentes.

O autor do site continua argumentando que, se você for uma pessoa inteligente, vai buscar uma forma de racionalização para as perguntas inventando alguma desculpa por parte de Deus. Por exemplo, você dirá que Deus permite que crianças morram de fome na África porque Ele tem algum plano misterioso para elas. E aqui mais uma vez, vemos como a religião tem seu status especial: se fosse um chefe de estado humano ou jurista que deliberadamente escolheu um grupo de pessoas para passar fome, mesmo tendo poder para resolver o problema, diríamos que esta atitude é imoral e repugnante.  Essa racionalização é tola. Simplesmente não faz sentido. Como um Deus que é amor é ao mesmo tempo conivente com tanto sofrimento dos humanos? 

Só há uma única resposta que faz sentido. Deus é imaginário. Se por um único momento você se permitir essa idéia, verá como todas as perguntas tem uma resposta clara e simples:
  1. Por que Deus não cura os amputados? Porque Deus é imaginário, e um produto da imaginação humana não responde aos anseios reais dos humanos. Não pode nos ouvir, muito menos alterar o curso natural do universo. Não pode curar um resfriado, muito menos câncer, AIDS ou regenerar um membro amputado. Ao invés disso, precisamos de Medicina, que possui evidências estatísticas concretas de sua existência e eficácia.
  2. Por que há tantas pessoas passando fome no mundo? Porque Deus é imaginário. A miséria não é um resultado de um plano místico por parte de uma figura da superstição humana, tampouco o sucesso capitalista. Estes fatos são resultados de uma intricada dinâmica social, que envolve a história, os recursos naturais da geografia, o funcionamento do capitalismo baseado em lucro — alguém sai ganhando as custas de outro que saiu perdendo —, política e crendices. Se quisermos resolver este problema, não devemos o atacar com fé. Devemos entender essa complicada dinâmica social e apontar onde ela pode ser melhorada para minimizar a diferença em oportunidades de diferentes povos.
O material de God is Imaginary é uma pérola na Internet. Um lugar de convite ao pensamento crítico e racional e reflexão sobre a religião que todo cristão inteligente deveria conhecer.

9 comentários:

SaimoN disse...

É isso mesmo, "DEUS" é IMENSAMENTE IMAGINÁRIO!
Não é nada mais que uma invenção humana para culpar a irracionalidade humana.

Ignorância também mata se é o que quer saber.

E NÃO, NÃO existe ninguém te vigiando todo o momento lá no Céu e sim aqui na Terra!

VOCÊ se importa com a DESIGUANDADE SOCIAL???
A resposta é NÃO!
não seja hipócrita a ponto de dizer que se importa...
Se pensar em resolver a desigualdade social mundial fosse algo vigente nesse mundo, somente PENSAR, não estariamos assim.

Se preocupem mais com o próximo em vez de ficarem rezando e cultuando a ignorância.



Valeu!
^^

Gu disse...

Da mesma forma que os crentes acreditam nos seus pastores, tem gente que acredita nessa pseudo filosofia de aleijado?
Esse senhor que me desculpe, mas seus argumentos estão no nível intelectual de uma graviola.
Se querem criticar a religião, pelo menos que façam de uma maneira inteligente, analisando o que são "crenças", utilizando métodos epistemológicos etc.
Do mesmo modo que não engolimos conversa de crente também não deveríamos engolir essas asneiras.

Lourenço disse...

Muuuito boom ... =)

Anônimo disse...

"Confesso" (para entrara no clima religioso...rsrs) que esperava mais...

Falou-se tanto de nível intelectual que achei que iria me surpreender, mas, mais uma vez, assim como a teoria da evolução (rsrsr)... tudo o que foi dito não passa pelo experimento, não prova nada... mais falácias e falácias...

Aliás, partindo para o lado da “religião” (como se Deus fosse religião), Deus não tem que "arrumar" as atitudes erradas dos homens, nem dar uma vida sem problemas para as pessoas. Qual é o Pai que não quer ver o filho crescer mediante as situações da vida? "Problemas, dificuldades" dão mais caráter ao homem do que uma vida de "mar de rosas".

E, já que vcs se interessam tanto por assuntos que tratam de Deus, olhem na Bíblia que vcs não verão "Mares de rosas", mas pessoas que tinham a vida de Deus independentemente da situação que estavam. Não se trata de ter, mas de SER, ainda que algumas pessoas que se dizem "servas de Deus" enfatizem o TER.

Outro fato é que Jesus nunca se aliou à religião. Enquanto os fariseus e saduceus (autoridade religiosa da época) estavam no templo clamando a Deus por um Messias, Jesus estava nas ruas manifestando o reino de Deus (curando, também, mas não a todos, pois não é isso que está em jogo...).

Assim, falácia por falácia... eu fico com a fé em meu Deus!

Leonardo Motta disse...

Faz dois anos que escrevi esse texto, mas permita-me responder os dois últimos comentários.

@Gu:

Não sei exatamente qual é o objetivo desse comentário. O objetivo do meu texto e do site God Is Imaginary é ter uma discussão objetiva e racional. O comentário em questão é o que se chama de ad hominem: tenta desqualificar um outro argumento não com base em apontar um erro, mas atacando o autor do argumento. Isso pode parecer legal, xingar os outros, mas não responde nenhuma das questões levantadas nesse post ou no site. Suponhamos que seja verdade que o meu post e o site seja "filosofia de aleijado". Onde, exatamente, isto responde as questões de exemplo 1 e 2? Veja, eu posso dizer que 2+2=4, e alguém pode dizer "isso é matemática de aleijado", o que alguém pode acreditar piamente em ser o caso, porém mesmo que 2+2=4 seja matemática de aleijado, isso não invalida que 2+2 seja, de fato, igual a 4.

@Anonimo

Quando você diz "Deus não tem que "arrumar" as atitudes erradas dos homens, nem dar uma vida sem problemas para as pessoas", você quer dizer, então, que Deus não interfere na vida social? Então você diria que Deus não responde a preces, rezas, promessas. Tudo bem, há sempre pessoas que colocam essas definições alternativas de Deus, mas isso você só está concordando com a conclusão de que Deus é imaginário, não existe, de fato, uma consciência sobrenatural que responde a preces.

O que você disse depois sobre a Bíblia e Jesus não tem ligação com o texto ou com o site. Embora não seja um ad hominem, é uma estratégia comum de político: fugir do assunto. Mas já que você colocou essa digressão, você só está discutindo nomes. Quando você diz "Jesus fugiu da religião" é porque você decidiu chamar o conteúdo do Novo Testamento de algo que não é religião. Suponhamos que você acha que o Novo Testamento se chama X, e não religião. Agora, releia o texto e substitua todas as aparições da palavra "religião" por "X" e você terá o mesmo problema.

E brevemente, sobre o seu comentário inicial: a evolução é um fato científico. Isso não está nem se quer aberto a discussão. Se você acha que a evolução não é um fato, sinto muito, isso eu não discuto, assim como não discuto com ninguém que acha que a Terra não é redonda e não gira ao redor do Sol.

Anônimo disse...

Leonardo Motta:

Então, tá... vamos falar de novo... mas, agora, desenhando... [brincadeira, eu gosto dessas discussões].

Desde já peço perdão pelo longo texto, mas tive que ser mais explicativa.

Como disse, observe na Bíblia (e na vida de todos aqueles que amam a Deus, hoje) que Deus não tem que dar uma perna (no caso das amputações) para que uma pessoa seja "feliz", não é isso que está em jogo... Deus interfere na medida em que o homem permite (Ele é extremamente educado... não invade). Esta interferência, no entanto, não acontece para dar uma vida de "mar de rosas". Deus faz muito mais do que dar uma perna nova, Ele capacita a pessoa a viver apenas com uma e fortalece essa pessoa para as situações do dia a dia. O fato de ter apenas uma perna, não a torna pior do que ninguém [Todavia, conheço pessoas que tiveram membros do corpo crescidos, e mesmo que não os conhecesse, ainda creria em Deus].

Na própria Bíblia encontramos trechos em que Jesus e os discípulos dizem que as pessoas pedem mal porque não sabem pedir, pedem para deleite próprio. Se um filho de 6 anos pede ao pai um carro, com certeza ele não dará, nem por isso deixará de amá-lo. Da mesma forma, nem todas as preces são respondidas, porque Deus sabe o que é melhor para formar o caráter (vida) de Jesus em nós. Ele não nos trata de "balde", para cada um, Ele tem algo específico.

Crianças morrem na África? Sim, por culpa da maldade do homem, o maior milagre aí é fazer pessoas como vc entender a sua responsabilidade diante desse problema e, como disse, Deus não invade, se Ele mostra o que está errado e o homem insiste em permanecer na mesma condição, sinto muito em te desiludir, mas a “culpa” não é Dele. O homem sempre opta em servir à riqueza, ao status, mas, num outro momento e lugar (pode ser “aqui” ou não), Deus acertará as contas... o que o homem planta, colhe.

O fato de eu dizer que Deus não é religião, não está desconecto com meu comentário sobre o texto (pense só um pouquinho...) a proposta do texto é dizer que Jesus tem que curar, tem que dar, tem que fazer pela humanidade, discursos estes que se filiam a outros como Deus tem que escrever a vontade Dele, não num livro, numa linguagem humana e coerente, por intermédio de homens, mas com um raio no chão (rsrsrsr). Essa história de que Deus tem que dar, dar, dar é o que a religião apresenta (desculpe-me, mas vc não está tratando do Novo Testamento, mas da interpretação de alguns religiosos sobre ele, como disse, no NT, vc verá que nem sempre Jesus curou, repeat: não é isto que está em jogo, mas formar a vida [caráter] de Jesus, nas pessoas). Vc acha que é coerente que o homem faça tudo e depois peça para Deus assinar embaixo? Ainda assim, mesmo diante de nossas atitudes, muitas vezes, inconsequentes, Deus nos ajuda a vencer os obstáculos, porque Ele não é um conjunto de regras (religião) ou um Deus manipulável, Ele é um ser pessoal que se relaciona de maneira dinâmica, viva e individual e, com certeza, aqueles que plantam maldade, receberão o que lhe é devido: Há princípios espirituais, que se concretizam em nossa realidade ["Os fatos não deixam de existir só porque são ignorados" (Aldous Huxley, 1894-1963)], e, por isso, mesmo que um pai, que é juiz e ama seu filho, tem que executar a lei e mandar prendê-lo caso ele a transgrida: a justiça de Deus não anula o Seu amor.

Anônimo disse...

Qto à evolução [amo este assunto...], sabemos que o Evolucionismo é apenas uma "teoria", ou seja, ainda não chegou no estágio de comprovação, no entanto, é trabalhado, ensinado e disseminado como verdade comprovada e única, numa posição de "lei científica". Tanto o Design Inteligente quanto o Evolucionismo são, ambas, propostas TEÓRICAS, com algumas comprovações e devem ser tratadas como tal até que se comprove mais. E por que não mostrar as duas nas escolas? [acho que a evolução teme ser derrubada por outra proposta científica, pois está em jogo pesquisas científicas (rasas), prêmios e financiamentos de pesquisas] Ainda que a conclusão dos estudos pertinentes à Teoria do Design Inteligente tenha implicações religiosas, as pressuposições não são religiosas. E vc, como “cientista”, deveria saber.

E o que dizer, por exemplo, de uma teoria que foi construída com base num livro infantil? Pois é, a teoria do "Big Bang" é uma proposta que vem de um livro chamado “Eureka”, escrito por Edgar Allan Poe, em 1849, que é um livro para crianças. Foi baseado nesse livro que toda ideia do Big Bang foi desenvolvida. Considerando isso, imagine a cientificidade dessa proposta... o Criacionismo (outra proposta) é baseado na Bíblia, o Big Bang, num livro de crianças... tá tudo certo!

Quanto aos fósseis, nenhum dos sistemas de datação (Carbono 14, Varvito, Magnetismo Terrestre, Aminoácidos, Dendrocronologia, etc.) prova a possibilidade dos milhões de anos, nem a veracidade da coluna geológica (que não aparece completa em nenhum lugar do planeta), ou mesmo da evolução (onde estão os elos que comprovam que de ameba passamos a seres humanos?). Nenhum dos métodos de datação traz a mesma data para nenhum fóssil. O Dr. Joachim Scheven, dono do maior museu de fósseis vivos, localizado na Alemanha, disse: “Se um único fóssil pode ser considerado como prova de que a evolução aconteceu, o que dizer de mais de 500 que atestam que a evolução não aconteceu?”

Assim, parece-nos que é preciso fé para crer tanto no Evolucionismo quanto na Bíblia, aliás, arrisco dizer que, com o decorrer das pesquisas, comprovando muito mais a proposta bíblica, "talvez", seja preciso ter mais fé para crer no Evolucionismo do que na Bíblia.

[Ah.. eu acredito que existam “gnomos”... mas dou outro nome para eles...]

Leonardo Motta disse...

Eu não creio que você entendeu o meu texto e tampouco as implicações do que você mesmo está falando.

O ponto central do texto é tentar encontrar testes da hipótese de Deus. Então, alguém poderia dizer que Deus cura doenças dos humanos, intervindo no universo a favor de nós em especial. Considerando a pergunta dos amputados, vemos que isso não acontece. Como o meu texto já explicou, você tentou racionalizar esse fato, inventando uma desculpa estranha:

"Deus faz muito mais do que dar uma perna nova, Ele capacita a pessoa a viver apenas com uma e fortalece essa pessoa para as situações do dia a dia. "

Outro problema com o seu argumento, é que mesmo que supormos que existe uma consciência sobrenatural, você está assumindo que sabe o que essa consciência sobrenatural pensa, sem ter nenhuma evidência para sustentar a sua crença. Por que Deus iria querer fortalecer as pessoas com situações do dia a dia, e não, por exemplo, querer simplesmente que a pessoa sofra para divertimento pessoal dele, como alguém que assiste uma partida de luta livre?


O que você falou é o que está explicado no texto:

"Crianças morrem na África? Sim, por culpa da maldade do homem, o maior milagre aí é fazer pessoas como vc entender a sua responsabilidade diante desse problema e, como disse, Deus não invade, se Ele mostra o que está errado e o homem insiste em permanecer na mesma condição, sinto muito em te desiludir, mas a “culpa” não é Dele"

Ou seja, você admite que a razão pela qual existe a pobreza não é devido a uma explicação sobrenatural, e sim as relações sócio-econômicas dos seres humanos, e exclusivamente devido a isso. É por isso que Deus é imaginário: você admite que dada a pobreza, não existe um Deus que interefere no universo para garantir oportunidades iguais a todos.
O que você está fazendo é tentando encontrar desculpas para explicar porque você ainda insiste em acreditar em Deus mesmo sabendo que ele não interfere no universo. Você me diz que tem um dragão na sua garagem, e eu lhe proponho testar essa hipótese: quero ver o dragão. Você inventa uma desculpa: ele é invisível. Eu digo: então está bem, vamos usar um detetor infravermelho para observar o calor do dragão. Você diz: ele cospe fogo que não queima. No final das contas, você sempre terá como inventar essas desculpas: eu digo: se Deus existe, ele tem que curar todos os amputados, você diz: não precisa; e ai você esgota todas as minhas perguntas com "não precisa" e no final do dia, eu só posso lhe fazer mais outra: se ele não faz nada disso, qual a difereça entre um Deus que nada faz e admitir que Deus não existe? Qual a diferença de um dragão invisível que cospe fogo que não queima, de nenhum dragão?

A evolução é mais do que comprovada. Quando se usa a palavra teoria não se quer dizer que se trata de algo especulativo. A palavra é utilizada para significar um conjunto de princípios a partir dos quais fatos são derivados. Somente um analfabeto cientificamente diria que evolução está aberta ao debate porque se usa a expressão "teoria", e isso já foi copiosamente explicado por cientistas em várias referências. Qualquer pessoa com o mínimo de informação sobre as evidências da evolução sabe que ela é um fato empírico. Sabe-se muito bem qual o tempo de vida médio do carbono e qualquer um que fez um curso superior de ciências ou engenharia próprio já deve ter medido em laboratório. Fatos experimentais medidos com um simples contador Geiger não estão aberto a discussão; só uma pessoa louca, ou analfabeta cientificamente, duvida da física nuclear ou da evolução.

Jaqueline Wingter Franco disse...

Cara, fodona o debate de vocês, espero chegar um dia a esse ponto.
Se a vida me permitir. HAHA'
Eu não acredito em Deus, tentei ver alguma razão no que a menina estava falando, mas não vi. Por que, como a biblia, ela se contradiz. Já que a pobreza, a fome, e todos esses males da sociedade foram feitos pelo homem, e os bens também foram feitos pelo o homem, sem nenhum Deus presente. E o homem tem conhecimento do que de ruim está acontecendo no mundo e não faz nada, é por que tudo foi criado pelo homem e se Deus quer que o homem faça alguma coisa mas não faz nada pra que isso mude, ele é um incompetente. E se Deus é um incopetente, pra que seguir esse Deus?
Bem que eu queria que um Deus existisse, mas um Deus que fosse bom, como as pessoas o dizem. Por que o da Bíblia é perverso.
Se a biblia foi escrita por Deus, por que ela toda se contradiz?